Série Heróis Esquecidos: Asp Av Raymundo da Costa Canário

raymundo da costa
Raymundo da Costa Canário nasceu no Rio de Janeiro no dia 02 de maio de 1926. Era o mais jovem dos integrantes do 1º Grupo de Aviação de Caça quando aos 19 anos de idade se apresentou ao 1º GAvC no dia 04 de janeiro de 1945 em Pisa, vindo diretamente da escola de Pilotagem os Estados Unidos.
 
Integrou a Esquadrilha Amarela e completou 50 missões ofensivas, sendo a primeira em 20 de janeiro de 1945 e a última em 01 de maio de 1945. Uma de suas missões dignas de registro foi no dia 27 de Janeiro de 1945 quando partiu com a Esquadrilha Vermelha partiu para mais uma missão, tendo como líder o 1º Ten Av Dornelles. Embora Canário fosse da Esquadrilha Amarela, neste dia ele pilotou P-47 A6 que mais tarde teria como titular Asp Av Fernando Soares Mocelin. Durante um ataque rasante Canário colidiu acidentalmente com a chaminé de uma fábrica, derrubando-a. Na colisão seu avião perdeu parte da asa direita, o que não o impediu de retornar à base guiado pelo Dornelles. Optaram por seguir uma rota através do Mar Adriático, já que a artilharia anti aérea alemã estava pesada na região, além de o teto estar muito baixo e denso. Ao sobrevoarem a área de Veneza, Spitfires quase os derrubaram, pois não conseguiram identificá-los de imediato como pilotos aliados. Passado o susto, Dornelles vôou com Canário a 5000 pés de altitude, uma segurança contra a artilharia, além de manter silêncio no rádio. Apesar do estrago no seu P-47, Canário conseguiu fazer um pouso tranquilo e logo ele estaria se preparando para mais uma missão. Ele teve a opção de saltar de paraquedas, mas descartou essa alternativa pois dizia não ser paraquedista, mas sim aviador.
 
Em 15 de fevereiro de 1945, Canário voltaria a enfrentar mais uma situação difícil. Nesse dia ele ao ser abatido pela AAé inimiga ele não teve outra alternativa e saltou de paraquedas caindo na “terra de ninguém”, justamente no Front da FEB. Foi resgatado por uma patrulha da FEB do 11º RI e levado para a Base de Pisa. No dia seguinte, cedo, já estava cumprindo nova missão de guerra.
 
Ao regressar ao Brasil, pediu baixa da FAB para ser Piloto Civil na Panair do Brasil e posteriormente, Varig, onde foi Comandante de vôos internacionais, tendo feito mais de 25.000 horas de vôo ao se aposentar. Pela sua participação na Campanha da Itália, Canário foi agraciado cos as medalhas Campanha da Itália, Cruz de Aviação fita A com duas estrelas, Distinguished Flying Cross (EUA), Air Medal com duas palmas (EUA) e Presidential Unit Citation (EUA)
 
Raymundo da Costa Canário faleceu no dia 13 de janeiro de 1997 no Rio de Janeiro.
 
Colaborador: Marcus Vinicius de Lima Arantes (mv-arantes@uol.com.br)
 
Fontes: Anotações Pessoais / Site Sentando a Pua

COMPARTILHE ESSE ARTIGO!

Facebook Twitter Email Plusone



VEJA ALGUNS ARTIGOS QUE POSSAM LHE INTERESSAR!

Deixar um comentário

Premium WordPress Themes