Roubo de armas, ameaças constantes aos acervos da FEB

praca-e-museu-do-expedicionarioFoto: Juliano Martins/SMCS

Para quem acompanha a história da FEB e seus museus, sabe da importância destes acervos. Tanto as sedes como o material lá contido, foi organizado ao longo da história, após o retorno dos combatentes, com grandes dificuldades, pois o poder público pouco ou nenhuma atenção tem dado a esta tipologia de acervo.

Durante décadas pequenos ou grandes acervos foram sendo organizados, muitos já desaparecidos ou transferidos para unidades militares onde o acesso à visitação é complicado.

Sabemos também do desprendimento de muitas famílias febianas, ao doarem seus acervos particulares para estas unidades ” museológicas”, é comum ver em nossos dias, parentes tentando localizar os pertences doados. Mas no momento é preocupante o desaparecimento de armas.Acredito,embora ainda sob sigilo de investigação, corre entre os especialistas a informação de novo roubo de armas no Museu do Expedicionário em Curitiba, tal fato teria ocorrido no mês de fevereiro deste ano, criando uma expectativa a todos.

Sabemos que tais armas estão desativadas, e seu interesse é histórico, interessando portanto a colecionadores. A segurança do Museu do Expedicionário é exercida por empresa particular, não sabemos as circunstâncias do ocorrido, mas urgente se faz necessário uma atitude de proteção deste acervo único.

Desconheço o sistema de proteção destas armas e se as vitrines possuem alarmes.Na década de 1980 havia um sistema de proteção para cada sala da unidade. Sabemos da preocupação dos seus dirigentes, mas devido a repetição dos fatos, (2013 já havia ocorrido) ha que se estudar meios mais eficazes na manutenção e preservação deste material raro, cuja reposição é quase impossível, portanto um perda irreparável.

Os Brasileiros pouco sabem da participação da FEB na 2ª Guerra Mundial, fato recente da nossa história e que nos garante hoje dias de Democracia. Preservar os acervos da FEB é um dever não somente das autoridades, mas dos filhos dos combatentes, dos historiadores, dos amigos e simpatizantes.

Dos acervos de armamento organizados pelas Associações de veteranos da FEB, chama a atenção pela bela organização: Sede central da Assoc. Vet. da FEB do Rio de Janeiro. A associação de Ex-Combatentes de São Paulo e a Assoc. de Vet. da FEB de Belo Horizonte. Vamos unir nossos esforços para que o Museu do Expedicionário de Curitiba possa continuar a figurar como um dos mais completos do Brasil, para orgulho dos paranaenses.

Carmen Lúcia Rigoni.
Historiadora

Confira outros artigos da pesquisadora para o Portal:

Observações sobre o Museu do Expedicionário

Filme A Montanha

O Dia da Vitória em 1945 – As lições para a paz

A atuação da FEB em Montese (Itália) e a Ofensiva da Primavera

Monte Castelo: a vitória de um povo

O Dia mais longo do ano, 6 de junho de 1944

XXIV Encontro Nacional, por Carmen Lúcia Rigoni

Nota de Falecimento: Enfermeira Virgínia Leite

XXIII Encontro de Combatentes da 2ª Guerra Mundial em POA

La Forza di Spedizione Brasiliana – Monumentalística Italiana

A tomada de Montese na Itália e os correspondentes de guerra

O futuro das associações de ex-combatentes no Brasil


COMPARTILHE ESSE ARTIGO!

Facebook Twitter Email Plusone



VEJA ALGUNS ARTIGOS QUE POSSAM LHE INTERESSAR!

1 comentário

  1. Leomarques /

    Lindo Museu, quando estive lá, tive a oportunidade de conhecer o Exp. Flávio Costa, que honra, irei voltar em breve.

Deixar um comentário

Free WordPress Themes