Relação nominal das enfermeiras da Força Expedicionária Brasileira

O Corpo de Enfermeiras da FEB designado para servir num hospital americano atendendo aos doentes e feridos. 16º Hospital de Evacuação, Pistóia-Itália. 10/03/45.
Acervo do Museu Casa de Memória dos Ex-Combatentes, mantido pela Associação dos Ex-Combatentes de Brasília.

A) 32nd Field Hospital – Platton “B” – Valdibura – Itália
1 – Altamira Pereira Valadares
2 – Juracy França Xavier
3 – Carmem Bebiano
4 – Jacyra de Souza Goes
5 – Neuza de Mello Gonçalves

B) 16th Evacuation Hospital – Pistoia
6 – Bertha de Moraes
7 – Antonieta Ferreira
8 – Elza Cansação Medeiros
9 – Virginia Maria de Niemeyer Portocarrero
10- Silvia de Souza Barros
11- Maria do Carmo Correia e Castro
12- Maria Belém Landi
13- Maria José Aguiar
14- Jurgleide Doris de Castro
15- Sylvia Pereira Marques
16 -Novembrina Augusta Cavallero
17 -Elita Marinho
18 -Elza Miranda da Silva
19 -Ondina Miranda de Souza
20 -Helena Ramos
21 -Wanda Sofia Magewsky

C) 7th Station Hospital – Livorno
22 – Olímpia de Araújo Camerino
23 – Maria Aparecida França
24 – Ignácia de Mello Braga
25 – Fausta Nice Carvalhal
26 – Lindaura Galvão
27 – Haidée Rodrigues Costa
28 – Acácia Cruz
29 – Alice Neves
30 – Aracy Arnaud Sampaio
31 – Amarina Franco Moura
32 – Elza Ferreira Vianna
33 – Hilda Ribeiro
34 – Ilza Meira Alkmin
35 – Jacy Chaves
36 – Lygia Fonseca
36 – Nícia de Moraes Samapio
37 – Nilza Candida da Rocha
38 – Virginia Leite

D) Finalmente em Nápoles
“S.H.B.” anexa ao 182th – General Hospital sob a chefia do Cel. Médico Dr. Augusto Sette Ramalho.
“S.H.B.” anexa ao 35th General Hospital HEADQUAR-TER BUILDING, sob a chefia do Major Médico Dr. Azais de Freitas Duarte.
“S.H.B.” anexa ao 35th FIELD HOSPITAL, sob a chefia do Cap. Médico: Dr. Édson Hypólito da Silva, em SPARANISE, anexa ao DEPÓSITO DO PESSOAL.
40 – Lúcia Osório
41 – Nair Paulo de Melo
42 – Maria Luiza Vilela Henry
43 – Zilda Nogueira Rodrigues
44 – Jandyra Faria de Almeida
45 – Carlota Mello
46 – Edith Fanha
47 – Izabel Novaes Feitosa
48 – Maria Conceição Suarez
49 – Roselys Belém Teixeira
50 – Maria Hilda de Mello

E) EVACUADAS – Via USA ou BRASIL
51 – Graziela Affonso de Carvalho do 38 th Evac. Hospital PISA
52 – Olga Mendes do 16 th Evac. Hospital PISTOIA
53 – Heloisa Cecília Villar do 7 th Station Hospital LIVORNO
54 – Lilia Pereira da Silva do 300 th General Hospital NÁPOLES
55 – Maria de Lourdes Mercês do 16 Evacuation Hospital PISTOIA
56 – Guilhermina Rodrigues Gomes do 7 th Station Hospital LIVORNO
57 – Maria Celeste Fernandes do 16 th Evacuation Hospital PISTOIA
58 – Mathilde Alencar Guimarães do 7 th Station Hospital LIVORNO
59 – Orminda Célia Barroso do 16 th Evacuation Hospital PISTOIA
60 – Jandira Bessa de Meirelles do 7 th Station Hospital LIVORNO
61 – Gema Imaculata Ottolograno do 16 th Evacuation Hospital PISTOIA

F) SERVIÇO DE EVACUAÇÃO DE FERIDOS – Via Aérea Nápoles ao Brasil
62 – Maria José Vassimon de Freitas
63 – Dirce Ribeiro da Costa Leite
64 – Joana Simões de Araujo
65 – Lenalda Lima Campos
66 – Sara de Castro
67 – Semiramis de Queiroz Montenegro

G) As Enfermeiras da “ANA NERY” que serviram junto ao I GRUPO DE CAÇA AÉREO
68 – Isaura Barbosa Lima
69 – Judith Arêas
70 – Antonina de Hollanda Martins
71 – Ocimara Moura Ribeiro
72 – Regina Cordeiro Bordallo
73 – Maria Diva Campos

Perfazendo um total  geral de setenta e três (73)  Enfermeiras Brasileiras que atuaram oficialmente fora do País na II Grande Guerra Mundial.


Dados extraídos do livro :
Album Fotográfico das FEBIANAS
Centro de Documentação Histórica do Brasil
    ALTAMIRA PEREIRA VALADARES
Pesquisa da II Grande Guerra Mundial
BATATAIS  –  SÂO PAULO

COMPARTILHE ESSE ARTIGO!

Facebook Twitter Email Plusone



VEJA ALGUNS ARTIGOS QUE POSSAM LHE INTERESSAR!

17 comentários

  1. Maria do Socorro Sampaio M. de Barros /

    Dessas 73 heroinas temos a certeza da permanência, com grande atuação inclusive, de Virginia Maria de Niemeyer Portocarrero ( Rio de Janeiro ), Carlota Mello e Roselys Belém Teixeira( Belo Horizonte ). Se alguém tiver mais informação por favor entrar em contato conosco.
    A Relação das Enfermeiras obedece o critério de ordem de vanguarda no front italiano, onde ficaram maior tempo conforme distribuição norte americana na época.

  2. Cesar Campiani Maximiano /

    É bom ver essa relação corretamente postada, ao contrário do que costumou circular aqui depois da guerra, incluindo uma versão segundo a qual certa personagem teria “chefiado” as demais enfermeiras.

  3. Maria do Socorro Sampaio M. de Barros /

    É pertinente tal colocação de Cesar que vou mais além, Altamira Pereira Valadares, Juracy França Xavier, Carmem Bebiano, Jacyra de Souza Goes e Neuza de Mello estiveram à serviço do Field Hospital o mais próximo da Linha de Frente (na região de PAVANA-VALDIBURA), portanto, poderíamos dizer que o papel desempenhado por elas foi o mais importante para salvar os feridos da morte, portadores dos ferimentos mais graves, não podendo os mesmos suportar sua evacuação para outra região. Nesse Hospital de Campo as dificuldades foram maiores também para as ENFERMEIRAS, dada a distância e rigoroso inverno sofreram o extravio de correspondência e a falta de agasalhos adequados. ” Éramos então as esquecidas do “Vale-das-Burras), conforme nos apelidávamos em VALDIBURA”.
    A seguir transcrevo o texto de apresentação desse trabalho pela autora Altamira Pereira Valadares.

    ” APRESENTAÇÃO

    Meu trabalho dependeu também da boa vontade das minhas companheiras da Campanha da Itália; procurei fazer o máximo, porém ainda ficou incompleto, pois não me foi possível obter todos os dados necessários, fotografias mais nítidas e informações mais detalhadas sobre vidas tão preciosas.
    Entrando na guerra muito depois das americanas, as brasileiras se portaram a altura de suas colegas que lá estavam, havia cerca de dois anos. Inteligentes, adaptando-se rapidamente às exigências da técnica de enfermagem, em plena campanha de guerra, à instabilidade oriunda da frente, pelos exércitos em luta, mostraram-se também resistentes fisicamente, inquebrantáveis, diante das longas horas de trabalho, muitas vezes dobrando os serviços, no desconforto do meio em que viviam.
    Apesar de todas essas desvantagens, as brasileiras jamais deixaram de ser atenciosas com os seus pacientes, por vezes meigas, confortando-os em horas de desespero, estimulando-os com palavras de esperança, alentando-os nos períodos de desânimo, procurando cercá-los de um ambiente familiar, sentindo eles um pouco do bem estar de suas casas, em nossa terra.
    Vivendo, faz-se história. E essas brasileiras gravaram, para sempre com sua vida nos campos de guerra da Itália, belas páginas na história militar do nosso Brasil.”

    Sendo filha da Capitã Enfermeira da FEB Aracy Arnaud Sampaio cresci ouvindo os feitos delas e melhor, privando da companhia dessas mulheres especiais. Portanto sei que nenhuma foi mais importante que a outra em seus desempenhos, independente de posto ou graduação obtida após a Grande Guerra.

  4. Molto importante, per un quadro generale della spedizione FEB in italia, fare sapere il ruolo di queste insostituibili donne brasiliane.un ricordo mio personale,
    per il Major ELZA, chè ho avuto l’onore di conoscere e ospitare sulla jeep,in uno dei suoi viaggi della memoria in italia.

  5. Orlando Sampaio Silva /

    Muito obrigado, prima Socorro.
    As enfermeiras militares pracinhas da FEB são heroínas que merecem nossas homenagens. Elas deram sua contribuição humanitária fundamental, na FEB, em pleno território italiano assolado pela guerra e contribuíram exemplarmente para a vitória da democracia sobre o nazi-fascismo.
    Uma nota: Sei que a jovem romancista Clarice Lispector, eatando na Itália, integrou, como voluntária, o corpo de enfermeiras brasileiras na FEB. Você confirma esta informação?

  6. Maria do Socorro Sampaio M. de Barros /

    Na verdade meu primo ela serviu como “assistente voluntária” junto ao corpo de enfermagem. É que em 1943 ela casou com o Diplomata Maury Gurgel Valente. “Em sua primeira viagem como esposa de diplomata, Clarice morou na Itália onde serviu durante a Segunda Guerra Mundial como assistente voluntária junto ao corpo de enfermagem da Força Expedicionária Brasileira”. (Wikipedia, a enciclopédia livre).

  7. Orlando Sampaio Silva /

    Muito obrigado, querida prima.
    Tenho grande admiração por nosso grupo de enfermagem na FEB, em meio ao qual se encontra minha querida Aracy Arnaud Sampaio, sua mãe. Mulheres desprendidas, corajosas e movidas por um notável ideal norteador, heroínas.
    Eu, como muita gente em nosso país e fora dele, sou um leitor e admirador da Clarice Lispector. Essa sua disponibilidade para enfrentar a guerra, como “assistente voluntária” a engrandece mais ainda. Sabe que ela e seu marido moraram em Belém, PA?

  8. Muito valiosa estas informações. Sou filha do ex-combatente Genesio Stefanello-rs ainda vivo com 91 anos
    Acompanhamos os encontros e neste ultimo encontramos esta filha da enfermeira Aracy, que , inclusive se pronunciou num dos eventos.
    Gostaria de ter contato com ela.por gentileza, teriam vcs o endereço de email dela. o pouco que soube, é que ela reside no Rio de Janeiro.
    Abraços Febianos

  9. Boa noite.
    por acaso vc sabe mim informar a respeito de jandira acho que é Jandira Faria de Almeida.
    ela é enfermeira da FEB..
    Meu pai é ex combatente tem 91 anos. e gostaria de ter noticias dela.Pois a mesma cuidou dele na Italia quando adoeceu.

    Estarei aguardando noticias.

    Obrigada. Renilda.

  10. Maria do Socorro Sampaio M. de Barros /

    Renilda, só agora vi seu comentário pedindo noticias da Enfermeira Jandira Faria de Almeida. Muito linda e abnegada essa baiana de Itaparica deixou-nos em 1995, cumprindo assim sua trajetória coroada de exemplos ao serviço à Pátria.

  11. Recentemente, por motivo de falecimento de ente querido, tive acesso a um impressionante acervo histórico pertencente da minha estimada madrinha Antonina de Holanda Martins, uma das enfermeiras da equipe da FAB, e que participou ativamente da 2° guerra mundial nos campos da Italia.O impacto de tudo que ví, percebí e sentí, me leva a afirmar que, o meu compromisso a partir de então é um só, ou seja viabilizar uma organização social do chamado terceiro setor, com o objetivo de resgate da sua memória, e cuja sede deverá ser no bairro de Piedade, municipio de Jaboatão dos Guararapes estado de Pernambuco.
    Parabéns a todos pelo excelente trabalho e até uma próxima oportunidade.
    Marcos de Abreu Basto Lima
    Economista
    corecon nº 12254-rj

  12. José Henrique Vilela /

    O significativo índice de participação ativa de nossas compatriotas na Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Segunda Guerra Mundial, entusiasmou-nos e deixou-nos orgulhosos. E sabendo que é grande o interesse entre as mulheres brasileiras de seguirem a carreira militar,fez crescer e generalizar-se nacionalmente a ideia de facilitar-lhes o ingresso nas Forças Armadas. Que seja então criado no Brasil o serviço militar feminino obrigatório. Completados os 18 anos, apresentar-se-ão nas Circunscrições Militares de suas respectivas Regiões, podendo escolher em qual das três Forças servirão como recrutas.
    Todas as que foram entrevistadas por nós mostraram-se de PLENO ACORDO. E DISSERAM: HÁ MULHERES SOBRANDO QUE QUEREM SE PROFISSIONALIZAR COMO MILITARES,CHEGAR AO OFICIALATO,E PRECISAM SER ENGAJADAS!
    ATENÇÃO CONGRESSO NACIONAL! PREPAREMOS JÁ UM PROJETO DE LEI NESSE SENTIDO!!!

  13. Pedro Fábio Soares Vivas /

    Lamentavelmente a nossa Historiografia, somente cita os homens.

    Deixa e muito a desejar o grande e caloroso empenho das Enfermeiras e do Corpo Médico.

    Parabéns!

  14. Carmen Lúcia Rigoni /

    Quando apresentei minha tese na Universidade Federal de Santa Catarina,2009 ” Diários de guerra …” Grande parte dos estudos estavam voltados para o Corpo de Saúde da FEB.
    Esta tese deu origem ao livro; Anjos de Branco: o serviço de Saúde da FEB na Itália salvando vidas ( 1944-1945). onde dedico estudos especiais ao Corpo de enfermagem feminino da FEB. Foi pelos diários e depoimentos que conseguimos resgatar esta bela história das nossas enfermeiras.
    Caso tenham interesse, posso enviar. Não está a venda nas livrarias.
    email: carmenluciarigoni@gmail.com
    Att/ Carmen Lúcia Rigoni

  15. Katia Batalha /

    Alguém tem noticias sobre a enfermeira Jurgleide Doris de Castro? Ou de seus familiares?

  16. Pinto Guedes /

    Uma senhora muito amiga de minha família de nome Fernanda Antunes Pombo, enfermeira esteve no front com as demais que embarcaram para Itália. Contudo, não vejo em nenhuma relação ligado ao grupo. Gostaria de ter essa informação a respeito da referida enfermeira.

    Grato, Antonio Carlos

  17. Katiucia de Sousa /

    Olá! A BBC publicou algumas gravações antigas com pracinhas em 1944..e em uma delas há a gravação de uma entrevista num hospital na Itália, com a enfermeira-chefe, Sta. Inácia de Melo Braga. Ela não consta nessa lista também…

    Aqui vai o link:
    https://www.bbc.com/portuguese/media-43337512

Trackbacks/Pingbacks

  1. Casa da FEB concede medalha post-mortem para enfermeira a Helena Ramos | Portal FEB - O Portal da Força Expedicionária Brasileira - […] Relação nominal das enfermeiras da Força Expedicionária Brasileira […]

Deixar um comentário

Premium WordPress Themes