Cap Enf Aracy Arnaud Sampaio

Aracy nasceu em Barreiras-Bahia em 19.10.1917 e faleceu em Brasilia em 08.09.2008, durante a Convenção dos Veteranos da FEB que se realizava na Capital Federal, às vésperas de completar 91 anos. Toda a sua vida foi marcada por dedicação à família e participação na Diretoria da ANVFEB e da Associação dos Ex-Combatentes em Belém do Pará e  Brasília-DF.
Desistiu da faculdade de Ciências Econômicas após o segundo ano para inscrever-se no curso de Enfermagem  em Salvador. Diplomou-se em 1942 e trabalhou  no Hospital Sta. Izabel e no da Cruz Vermelha, nesse último cuidando das vítimas de torpedeamentos nas costas da Bahia. Quando o Exercito Brasileiro abriu o voluntariado para mulheres participou do  curso de Adaptação.  Foi a primeira colocada  na 6ª Região Militar, tendo os jornais da época enfatizado o fato dela ser descendente do General Sampaio, patrono da Infantaria Brasileira, herói da Guerra do Paraguai. Enquanto aguardava  convocação trabalhou no Hospital Militar da Bahia.  Juntamente com mais quatro enfermeiras embarcou num navio comboiado por dois destroiers rumo ao Rio de Janeiro, viagem tensa por  risco de  ataques alemães, não sendo permitido acender luzes e a obrigatoriedade de uso permanente do colete salva-vidas.
Em 19 de outubro de 1944 ( dia de seu 27º aniversário) partiu de avião do Rio de Janeiro juntamente com dezoito colegas tendo como destino a Europa.
 Serviu como enfermeira no 7º th. Station Hospital em  Livorno ( na Enfermaria E-22) onde ficavam os oficiais feridos das Nações Aliadas. Dos  que lá estiveram internados cita em seu diário: “Dentre os muitos heróis, lembro-me com mais carinho do Mario Márcio Fontanilas da Cunha, campeão sul americano de salto com barreiras, que esteve por mais de três meses ao meus cuidados. Também o Major Bueno Teixeirense, o herói de Abetaia, ferido no campo da luta por estilhaços de granada que lhe perfuraram um pulmão; o Capitão Yedo Jacob Blougth que perdeu uma perna; foram tantos …..o Capitão Jerônimo Travassos  e o Tenente Tulio também perderam  uma perna”.
 “Para os 60 doentes que sempre ocupavam a E-22 eu era a amiga e serviçal, além de Enfermeira. Escrevia para as mães, esposas, noivas e irmãs dos que não podiam fazê-lo pessoalmente. Ia à “Red Cross” buscar-lhes bombons, chiquetes, revistas, etc. Lia para eles , cantava para alegrá-los, enfim, de de varias maneiras procurava servir-lhes e cumprir meu dever.
Em fevereiro, após a Tomada de Monte Castelo, baluarte onde os alemães se estabeleceram e de onde mataram muitos soldados, o hospital esteve lotado e o trabalho foi árduo. No dia 8 de maio de 1945, fomos surpreendidos com apitos, buzinas, música e gritos entusiásticos em várias línguas: Finish war – Finita la guerra – A guerra acabou!
Foi imensa  a alegria geral e chorando todos se abraçavam. O que no momento sentimos não posso descrever; foi alegria, orgulho, tristeza. Alegria por havermos alcançado a vitória, orgulho por nos sentirmos responsáveis em haver cooperado para esse fim e, tristeza por saber que iríamos deixar aquele país maravilhoso e separarmo-nos de colegas e amigos a quem estávamos unidos pelo mesmo sofrimento e mesmo ideal.
   Em junho fizemos a viagem de regresso, também de avião, parando nos mesmos lugares e permanecendo em Casa Blanca uns quinze dias. Passeamos muito, felizes e orgulhosas  e num belo dia de sol, tomamos o avião que nos traria para o Brasil”.
 Em seu retorno ao Brasil Aracy  Arnaud Sampaio não pode continuar  no serviço regular do Exército, sendo reformada em consequência da perda de audição com a explosão de uma mina, no hospital em que trabalhava, estando ela no momento dentro do compartimento da ala de cirurgia acompanhando um paciente.
   De volta ao Rio de Janeiro, após a guerra, apaixonou-se por  Carlos Martins de Barros, com quem teve seis filhos, todos honrados por possuírem uma mãe com tantos predicados, principalmente por ser integrante do corpo feminino do Exército da Força Expedicionária Brasileira.
  Deixou-nos grandes ensinamentos e uma escancarada alegria de viver!. Em  seu resumo biográfico, conclusão do Curso Rejuvenescer a Velhice na Universidade Nacional de Brasília (UNB)
escreveu:
                    “Devemos continuar a aproveitar tudo de bom que a vida nos oferece.
                      Sejamos gratos ao Criador e agradeçamos pela vida e por todos os dons recebidos através dela.
                       Quando chegar nossa hora final, oxalá possamos dizer ou pensar:
                        Obrigada Senhor, eu vivi!
                          Aracy “

Aracy aos 91 anos, um mês antes do seu falecimento

Colaboradora:

Maria do Socorro Sampaio M. de Barros, filha da Cap. Enfermeira Aracy Arnaud Sampaio – socorrosmbarros@yahoo.com.br


COMPARTILHE ESSE ARTIGO!

Facebook Twitter Email Plusone



VEJA ALGUNS ARTIGOS QUE POSSAM LHE INTERESSAR!

25 comentários

  1. FRANCISCO BORGES /

    BELÍSSIMA. TRABALHO EXCELENTE.

    TUDO NOS INTERESSA. É SÓ NOS DISPONIBLIZAR.

    FRANCISCO

  2. Aracy sampaio martins de barros leite /

    Eu tenho a satisfação de ter nascido deste ventre de uma mulher que em sua epoca fez a diferensa ao se colocar a serviços de sua Patria,eu e meus irmãos convivemos com nossa mãe ate seu ultimo suspiro ,nos encinou a amar o procimo,respeitalo e a ter sempre uma palavra de carinho aos que precisavam,sempre positiva dava o comando a todos,tinha muitos amigos se correspondia com todos atravez de cartas uma letra maravilhosa,cantava e nos dizia `quem canta seus males espanta´para nós seus filhos e amigos você será eterna.Para sempre te AMAREI.

  3. tom sampaio /

    orgulho de ser descendente desta mulher guerreira brasileira,,,um exemplo de ser humano,,,,

  4. Luis Fernando e Gilvana /

    Nossa hein… que exemplo de vida, que exemplo de dedicação ao proximo!!!
    Sem sua vó o mundo ficou mais pobre, riqueza de pessoa sua vo!!
    abraços…

  5. VIRGINIA A R NETTO /

    Tive o privilégio de conhecê-la pessoalmente, conversar e saber algumas de suas histórias. Para mim foi uma grande honra. Parabéns pelo lindo trabalho, que conta um pouco de quem foi esta grande mulher. Virginia

  6. isalete leal /

    Bravas enfermeiras. Que souberam honrar nossa Pátria com dedicação e amor a Nação brasileira. Parabéns pelo lindo trabalho! Parabéns pela hmenagem!

  7. Aracy, minha mãe, sou grato pelos seus ensinamentos e a arte do viver em harmonia, paz, amor ao próximo e honradez.
    Um agradecimento especial a irmã Socorro que busca manter viva a história de nossos heróis.

  8. dalva duarte /

    tive o prazer de conhece-la, olhos brilhantes, profundos de sabedoria e como sabia viver!Feliz dos seus filhos que tiveram esta mulher de fibra como mãe

  9. Eliana Maria /

    Minha tia muito querida, a quem recorri várias vezes quando pequena, em seu colo chorei e seus conselhos ouvi.

  10. Orlando Sampaio Silva /

    Conheci, pessoalmente, Aracy Arnaud Sampaio, minha prima, prima em primeiro grau de minha mãe, quando ela, com seu esposo e filhos, moravam em Belém. Nós nos visitávamos reciprocamente. Inteligente, cheia de vida, uma personalidade cativante. Orgulho-me de tê-la tido como parenta e amiga. Aracy, pracinha-expedicionária voluntária na FEB, participou com coragem e bravura da luta na guerra contra a tirania nazi-fascista no campo de batalha na Itália. Aracy Arnaud Sampaio é heroína do Brasil e do Exército Brasileiro.

  11. tom sampaio /

    ser filho de ARACY ARNAUD SAMPAIO realmente é uma dádiva do criador,que meus herdeiros fiquem com esta imagem linda de sua antecessora,,,,,orgulho de ser filha dela é muito grande…as lágrimas correm de meus olhos ao ler e ver sempre etas imagens,meu filho ARIEL a quem ela entregou espadachim e depois espada de oficial tem muito orgulho desta gloriosa avó paterna,,,grato a todos que são meus parentes e aos meus manos pela brilhante vida que recebemos e a ti SOCORRO SAMPAIO parabéns pelo trabalho em honra a nossa querida ARACY

  12. Alexssandra /

    Que coisa mais linda…Tenho orgulho de saber que uma mulher fez tanto pelos nossos militares….

  13. Sirio S. Fröhlich /

    Bela matéria.
    A participação das brasileiras na guerra foi louvável. Além da assistência ao corpo ferido dos nossos soldados, levavam a estes o conforto espiritual. Eram irmãs e eram mães, que, no desespero da guerra, afagavam com mãos maternas.
    Não tive o privilégio de conhecê-la pessoalmente, mas conhecendoa sua filha Maria do Socorro e a sua luta pela preservação da memória da FEB, em Brasília, tenho a convicção de que a Cap Aracy A. Sampaio foi um exemplo de coragem, dedicação e vitude para os pracinhas que com ela conviveram.

  14. descance em paz mulher guerreira quantos filhos do brasil feridos em seus bracos

  15. GABRIEL MELO /

    Precisamos ler estas histórias para os nossos filhos e filhas, para que eles agradeçam a Deus a liberdade que temos conquistada por tão valoroso soldados, Parabéns por sua vida e sua história. CBT SV 1985.

  16. Maria do Socorro Sampaio M. de Barros /

    Eu agradeço as mensagens de incentivo e só posso dizer que a familia da Cap.Aracy sente-se honrada por sua magnânima escolha de vida!
    Em Brasília, no Museu Casa de Memória dos Ex-Combatentes da 2ª Guerra Mundial,organizado de acordo com os anseios de ARACY, o visitante terá a oportunidade de conhecer a história dessas 73 Enfermeiras da FEB,sendo 67 do Exército e 06 da FAB. Essas mulheres tiveram enorme coragem ao dedicar seus dias em prol dos cuidados aos nossos valentes/feridos no Teatro de Operações de Guerra.
    A partida de minha mãe deixou um vazio que só dá para preencher quando conto suas histórias e, durante meu trabalho voluntário de organização desse Museu !
    socorrosmbarros@yahoo.com.br

  17. Mário Viana da Silva Botelho /

    Bela matéria, parabéns as mulheres brasileiras que se destacaram na grande guerra, com certeza seu socorro foi de imediato a todos nossos guerreiros que por elas foram socorridos, acompanhados com carinho, determinação, coragem e bravura das mulhers brsileira, segue também essas palavras carinhosas de reconhecimento a todos de sua família.
    Pres. ASARESFA/PE.
    email sgtbotelhopresidenteasaresfa@gmail.com
    Começamos nos montes guararapes.
    BRASIL NÓS SOMOS A PÁTRIA

  18. Daniela Ramalho Canto /

    com certeza é uma heroína!
    sempre escutava minha avó falar sobre a irmã com muito orgulho.
    eu tbm tenho muito orgulho de saber que tenho uma tia avó guerreira.

  19. Sargento DE LIMA. 14º BI MTz. PELOPES. /

    Que nossas mulheres de hoje consigam fazer o mesmo.
    Parabéns a todas mulheres Brasileiras e em particular a sua família.

  20. joão cesar da silva /

    Conheci Aracy, com muita satisfação, durante um passeio de barco, na Lagoa dos patos, no Rio Grande do Sul, quando preparava uma muqueca de peixe para os participantes. Pessoa de elevada sabedoria, disse-me que a impressão mais forte que trazia da guerra era do “cheiro”, de pólvora, misturado com carne. Relatou-me muito de sua estada na Itália, durante a guerra, mas, principalmente, do seu legado. Dizia que devemos agradecer ao Criador todos os dias, pela vida e o quanto perdemos com mesquinharias e pequenices. A cultura e sabedoria de Aracy deixaram em mim marcas de alguém que conheceu uma pessoa excepcional, fraterna e solidária. Deus lhe dê descanço e à família, que nutra sempre o orgulho de ter convivido com tão brilhante mulher.

  21. Ugo Bezerra /

    Parabéns! Muito se deveu ao trabalho da retaguarda. Em especial dessas maravilhosas enfermeiras que com espírito despojado dedicaram parte de sua juventude ao dever e ao chamado cristão para desempenharem a mais nobre e árdua tarefa humanitária. Muitas viram de perto o horror sem poderem esboçar seus sentimentos em prol de não disseminar o pânico. Meu tio esteve internado no 7th Station Hospital, não como oficial. Muito obrigado a todas essas magníficas mulheres que se lançaram para uma terra distante, num período caótico e dedicaram-se a fim de amenizar o sofrimento alheio. Que Deus as dê a recompensa merecida por tamanho sacrifício.

  22. wanda maciel /

    Tive o prazer de conhecer Dona Aracy em 1984, por ocasião de uma viagem à Europa. Ela era a senhora mais encantadora e carismática que já havia conhecido. Muito girava em torno dela, de suas histórias e de sua vocação natural para valorizar a sua vida e a vida…. Um fato que chamou a atenção de uma das viajantes foram seus olhos sempre brilhantes… Daí surgiu o comentário: “ela tem olhos que brilham” e todo mundo queria conferir… Sim,ela tinha olhos que brilham…. brilhavam de alegria e do encanto pessoal que a todos cativava.. Saudades eternas daqueles momentos, que até hoje quando lembro, produzem um sorriso que ilumina… Obrigada por tê-la conhecido…Wanda Maciel

  23. tom sampaio /

    minha querida mãezinha,,,,as saudades são eternas

  24. Fomos amigos por quase vinte anos. Quando vim para Brasília-DF ela que me recomendou a oportunidade de trabalho. Não conhecia ninguém no Centro_oeste. E vim para estudar e recomeçar a vida no Distrito Federal. Fomos amigos, irmãos na espiritualidade mística e sagrada. Foi uma pessoa impar, sem igual; viveu dignamente. Deixou lições e marcas de força, dignidade, e honraria. Ainda tenho “sonhos” com a mesma após sua partida.
    Foi exemplo de amor, de sabedoria e alguém de que se possa orgulhar de sua amizade e confiança. Paz Profunda a todos!

  25. vicente de paulo donizeti pereira /

    Parabes Socorro pelo belo trabalho e a grande homenagem que sua mãe sempre fez por merecer, so tenho a dizer a vc e todos os seus irmão que a Sra. Aracy sempre sera lembrada com muma grande mulher, um exemplo de mãe, avo , bisavo e amiga ai de todos, parabens e saude e felicidades.

Deixar um comentário

WordPress Blog