A tomada de Montese na Itália e os correspondentes de guerra

A TOMADA DE MONTESE NA  ITÁLIA E OS CORRESPONDENTES DE GUERRA ( jornadas de 14 a 17 de abril de 1945)

No dia 14 de abril, comemoramos os 63 anos da Tomada de Montese pelos brasileiros que combateram na Itália durante a 2ª Guerra Mundial. Para que não conhece a cidade, trata-se de burgo medieval localizado nos contrafortes dos Apeninos ( norte da Itália), sua capital é  Modena e está localizada a 58  quilômetros de Bolonha.Diante deste evento cabe uma pergunta: Qual a importância da conquista desta cidade, que significado tem a sua posição estratégica e que papel exerceram os correspondentes de guerra nestes episódios?

Até aquele momento a Tomada de Monte Castelo ocorrida no dia 21 de fevereiro de 1945, nas proximidades de Montese, colocava  a Força Expedicionária Brasileira como tropa veterana e ofensiva  pronta para atuar na chamada Ofensiva da Primavera, cujo objetivo era barrar os alemães ao norte e libertar Bolonha.Acreditava-se na forte presença alemã em Montese, ponto estratégico para todos os envolvidos.

Para compreender este período da história buscam-se nas fontes a plausibilidade dos eventos, neste caso, as crônicas, as fotos, os diários e as reportagens corroboram na investigação.

Poucos sabem que o Brasil foi um dos países que mais correspondentes de guerra enviou para a campanha da Itália em 1944. Eram inúmeros os jornais da época, principalmente os da capital federal, Rio de Janeiro, que  deram cobertura á campanha até ao final da guerra.

É possível apontar 10 correspondentes que embarcaram para a Itália juntamente com a tropa brasileira nos diversos escalões. Destes, destacamos Rubens Braga ( Diário Carioca) Thassilo Augusto Campos Mitke (Agencia Nacional) Raul Brandão( Correio da Manhã) Joel Silveira ( Diários Associados) e Egydio Squeff ( O Globo) além dos correspondentes estrangeiros como Frank Noral ( Assuntos inter-Americanos) e Henry Baggley (Associated Press).

Com algumas dessas reportagens em mãos, nos reportamos aos tempos da conquista de Montese narrados por  Egidio Squeff: “ Em franca desagregação as forças de Kessserling, os soldados, às centenas,descem as encostas entregando-se aos nossos combatentes. Apesar do grande número de prisioneiros nazistas ,não há indícios da retirada germânica.Os alemães recuam premidos pelas forças americanas e brasileiras ,embora cresça a quantidade dos que se rendem, não podemos afirmar que o inimigo esteja abandonando sem lutas suas posições”

Em outra reportagem:“ Cheguei a esta cidade em companhia dos correspondentes Joel Silveira e Mitke, primeiros jornalistas que nela entraram..Nenhuma casa ficou intacta e só agora podemos avaliar  o efeito terrível causado pelos disparos da nossa artilharia ,as manchas de sangue nas casas, assinalam a violência da batalha.”

Na avaliação dos especialistas, Montese foi a campanha de maior  envergadura pelo seu aspecto militar, pois foram 4 dias de intenso combate e a F.E.B a única tropa a entrar na cidade e render o inimigo.Para os montesinos foi trágico: Foram cerca de 900 mortos entre os civis e a destruição quase total da cidade, além das grandes baixas sofridas pelos brasileiros, cuja saga encerraria nos combates de Collecchio e Fornovo.

Os correspondentes de guerra, ouviram os combatentes e foram sensíveis suficientemente para compreender os momentos de ansiedade de quem vai para o desconhecido.Ao descreverem o inarrável, nos colocaram à frente de fatos inéditos da nossa história, aferiram dados e ajudaram a fixar elementos de relevância para a história e a historiografia brasileira, fator de importância inegável do nosso passado.

www.bpvma.com.br

Carmen Lúcia Rigoni

Historiadora.

Curitiba 11 de abril de 2008.


COMPARTILHE ESSE ARTIGO!

Facebook Twitter Email Plusone



VEJA ALGUNS ARTIGOS QUE POSSAM LHE INTERESSAR!

14 comentários

  1. oi,eu preciso de ajuda pois o meu pai josé cordeiro do vale servil a guerra como veterano e nunca foi reconhecido como tal preciso de ajuda para faser isto pois ele faleceu falando desta guerra e da poilicia aonde ele trabalhou e minha mãe precisa muito ter este beneficio , ok se alguem sabe , me falaran que só falta a reservista dele se alguem sabe por favor me mande resposta ele trabalhou em natal é nacido em nova cruz rn.sei que tem reuniões de veteranos em natal rn toda quarta feira com veterano glauco mais não sei se é verdade pois eu vou até natal rn por estes dia pra saber melhor e´proucurar pelos documentos e registros do meu pai se alguem conhece alguem por la por favor me maande respostas ok obrigado….

  2. Falar dos combatentes brasileiros da Segunda Guerra Mundial é sempre um ato de respeito a esses guerreiros, assim como aos correspondentes de guerra, que mesmo sob o risco de morte trabalham para nos informar, e nesse caso específico, trabalharam para que os feitos dos nossos combatentes nunca sejam esquecidos…

  3. Vejam em http://www.ograndematosinhos.com.br excelente reportagem de quem voltou em MONTESE para ver como está. Na pagina principal do site, clicar em HISTORIAS REGIONAIS e em seguinda clicar NOS PASSOS DA FEB.

  4. ZULEICA MORAES DA SILVA /

    ESSE ATAQUE LEMBRO DE VER FALAR, MEU PAI POLICARPO DA SILVA MORAES PARTICIPOU,A TOMADA DE MONTESE NO ANO DE 1945. POUCO CONVÍVIO TIVE COM MEU PAI, MAS MINHA AVÓ MARIA RIOS QUE CONTAVA CADA DETALHE QUE QUE SE PASSOU DE QUANDO ELE ESTEVE NA 2° GUERRA MUNDIAL.ELE LHE CONTARA TUDO.HOJE EU TENHO COMO LEMBRANÇA UM CINZEIRO DE BRONZE QUE ELE TROUXE DA ITALIA, QUANDO ESTOURARAM UM BUNKER ALEMÃO DIAS ANTES DA TOMADA DE MONTE CASTELO. ESTE CINZEIRO FOI FEITO POR ENCOMENDA POR UM SUPOSTO OFICIAL ALEMÃO A UM PRISIONEIRO JUDEU ARTÍFICE CINZELADOR ENCERRADO NUM CAMPO PRÓXIMO A MILÃO. SEGUNDO PESQUISAS, FEITAS PELO MEU MARIDO, O BRONZE DA CONFECÇÃO DO CINZEIRO FOI RETIRADO DO MATERIAL RODANTE DUM VAGÃO FERROVIÁRIO, NOTE-SE QUE APÓS A DEPOSIÇÃO DE MUSSOLINE, O EXÉRCITO ALEMÃO SE APOSSOU DE TODO O COMPLEXO FERROVIÁRIO ITALIANO, DESATIVANDO E DESMONTANDO PARA NÃO CAIR EM MÃOS DO ALIADOS. O CINZEIRO É DECORADO NO FUNDO POR UMA RÉPLICA EM ALTO RELEVO DO MONUMENTO A OTTO VON BISMARK QUE EXISTIA EM BERLIM. O CURIOSO É QUE NA PARTE DEBAIXO , TAMBÉM, SÓ QUE EM BAIXO RELEVO TEM UMA ESTRELA DE DAVI E O NUMERO DO ARTESÃO. É UMA PEÇA INTERESSANTE.

  5. Miguel Mourad /

    Gracias hermanos brasileros por mantener viva la memoria. Tuve la suerte de visitar Montese en 2010 y es verdad que los italianos siguen agradecidos con ustedes. Son un ejemplo de hermandad y camaradería. No pude dejar de emocionarme con la presentación que recomienda Jose Claudio Henriques. Saludos desde Argentina.

  6. Naldicéia Nunes /

    Obrigada Carmen Lúcia Rigono, esta matéria me ajudou a conhecer um pouco do significado do nome da minha rua. Muito sucesso para você !!

  7. Irineu Blosfeld /

    Meu pai , HARRY BLOSFELD – 94 ANOS , vivo – recebeu a incubência do major Uzeda , de levar o jornalista Rubem Braga , ao alto do Monte Castelo para que o mesmo tirasse fotos da área de combate . São lembranças de quem participou ativamente das ações da FEB na Itália .

  8. Irineu Blosfeld /

    Procuro fotos tiradas por Rubem Braga no alto do Monte Castelo na Itália . Meu pai o acompanhou nesta jornada .

  9. william marques /

    queria saber algo sobre meu bisavo JOÃO AMÉRICO QUE LUTO NA FEB.NA ITALIA

  10. Izaac Erder /

    Oi Irineu Blosfeld, tudo tranquilo? Meu caro, sou historiador e estudo a FEB… Muito me interessa saber mais sobre seu pai e essa jornada dele junto ao Rubens Braga… Entra em contato comigo pelo meu e-mail? Grande Abraço!

  11. Carmen Lúcia Rigoni /

    Prezados leitores do Portal FEB.

    Em 2013 organizei pesquisa inédita e conclui o pós doutorado na Fundação Getulio Vargas no R.J. O tema escolhido foi relacionado aos correspondentes de guerra brasileiros e as notícias que aqui chegaram no periodo de 1944-1945.Nossos correspondentes e fotografos em numero surpreeendente embarcaram no 2º escalão da FEB e representavam os principais jornais do R.J. Enquanto não havia jornalistas brasileiros na Itália, os informes eram provenientes de profissionais estrangeiros, o que causou muita confusão e curiosidade sobre a FEB. Em homenagem aos 70 anos da FEB estou preparando um livro que deverá sair com cerca de 120 paginas e fotografias destacando esta pagina da História. Vamos tentar explicar este período inédito da guerra, o problema da censura militar e do DIP e aspectos da imprensa fascista na recepção aos soldados brasileiros. Trabalhei com vários jornais da época e nos arquivos em Roma e Bolonha tive acesso aos jornais italianos. Esperamos brevemente a possibilidade deste lançamento.
    CarmenLúcia Rigoni.
    Historiadora.
    Curitiba-Pr.

  12. thássilo augusto de campos mitke /

    Trabalhei com o Thássilo Mitke no Palácio Guanabara, sob a chefia dele na Assessoria de Imprensa do Governador Chagas Freitas. Estive com ele várias vezes, mas há um ano não nos falamos. Tentei hoje falar-lhe, porém nenhum dos três telefones atende. Alguém sabe me dizer como encontrá-lo? Teria falecido?
    MUito obrigado.
    LUIZ MENDONÇA – jornalista – 61-8477.6667

  13. Flori de Oliveira Marques /

    Oi gente, ou filha do ex-combatente Manoel Marques que participou em linha de frente na tomada do Monte Castelo.
    Tive o privilegio de participar da celebracao em homenagem a esses valentes herois da guerra, nossos amados pracinhas,,
    foi realizada no Monte Castelo, nesse ultimo domingo dia 22 de fevereiro, foi muito emocionante para mim, poder estar no lugar onde meu pai, junto com seus companheiros vivenciaram momentos fortes de suas vidas, sofridos, em neve intensa, frio, dificuldades, mas que sairam vencedores,,
    Foi confortante sentir o amor e apreço que o povo local nutrem pelos “pracinhas” brasileiros, cada um tem uma estoria a relembrar e contar. La recebem o reconhecimento que infelizmente no nosso proprio pais nao recebem, de herois da Segunda Guerra.
    Triste saber que tantos ja faleceram sem nunca ter sequer um reconhecimento financeiro o da pensao de ex-combatentes de guerra.
    Na escolas tao pouco se fala sobre a participacao tao importante na nossa historia brasileira.
    La conheci o senhor Mario Pereira, tambem filho de ex-combatente, que habita no local e que tao amorosamente leva a frente o legado deixado pelo seu pai de cuidar do monumento e museu, e organizar todas essas homenagens para que nao se caia no esquecimento atos tao heroicos de nossos amados “pracinhas”,,,
    Pessoal, por favor, vamos ajudar como pudermos, promovendo de qualquer maneira possivel lembrar e passarmos essas mmorias a frente, unica maneira de sermos agradecidos a todos esses nossos herois, os poucos ainda vivos, e os tantos que perderam suas vidas nessas batalhas.
    Com muita honra participei nas homenagens da tomada do Monte Castelo, e se Deus quiser quero participar em abril nas homenagens da tomada de Montese.. Estendo aqui um convite a todos que queiram e possam estar presentes,,

  14. Flori de Oliveira Marques /

    Oi gente, sou filha do ex-combatente Manoel Marques que participou em linha de frente na tomada do Monte Castelo.
    Tive o privilegio de participar da celebracao em homenagem a esses valentes herois da guerra, nossos amados pracinhas,,
    Foi realizada no Monte Castelo mesmo, nesse ultimo domingo dia 22 de fevereiro, foi muito emocionante para mim, poder estar no lugar onde meu pai, junto com seus companheiros vivenciaram momentos fortes de suas vidas, sofridos, em neve intensa, frio, dificuldades, mas que sairam vencedores,,
    Foi confortante sentir o amor e apreço que o povo local nutrem pelos “pracinhas” brasileiros, cada um tem uma estoria a relembrar e contar. La recebem o reconhecimento que infelizmente no nosso proprio pais nao recebem, de herois da Segunda Guerra.
    Triste saber que tantos ja faleceram sem nunca ter sequer um reconhecimento financeiro o da pensao de ex-combatentes de guerra.
    Na escolas tao pouco se fala sobre a participacao tao importante na nossa historia brasileira.
    La conheci o senhor Mario Pereira, tambem filho de ex-combatente, que habita no local e que tao amorosamente leva a frente o legado deixado pelo seu pai de cuidar do monumento e museu, e organizar todas essas homenagens para que nao se caia no esquecimento atos tao heroicos de nossos amados “pracinhas”,,,
    Pessoal, por favor, vamos ajudar como pudermos, promovendo de qualquer maneira possivel lembrar e passarmos essas memorias a frente, unica maneira de sermos agradecidos a todos esses nossos herois, os poucos ainda vivos, e os tantos que perderam suas vidas nessas batalhas.
    Com muita honra participei nas homenagens da tomada do Monte Castelo, e se Deus quiser quero participar em abril nas homenagens da tomada de Montese.. Estendo aqui um convite a todos que queiram e possam estar presentes,,

    PS. Para aqueles que possam interessar, tenho todas as fotos e alguns videos das homenagens de 70 anos desse domingo 22/02/2015 la em Monte Castelo,,,

Trackbacks/Pingbacks

  1. Observações sobre o Museu do Expedicionário | Portal FEB - O Portal da Força Expedicionária Brasileira - […] A tomada de Montese na Itália e os correspondentes de guerra […]
  2. Quando a Cobra Fumou! O destino das associações de veteranos da FEB | Portal FEB - O Portal da Força Expedicionária Brasileira - […] A tomada de Montese na Itália e os correspondentes de guerra […]
  3. Museus da FEB 70 anos depois, seria o fim de uma era? | Portal FEB - O Portal da Força Expedicionária Brasileira - […] A tomada de Montese na Itália e os correspondentes de guerra […]
  4. Roubo de armas, ameaças constantes aos acervos da FEB | Portal FEB - O Portal da Força Expedicionária Brasileira - […] A tomada de Montese na Itália e os correspondentes de guerra […]
  5. Dia da Vitória 8 de Maio, por Carmen Lúcia Rigoni | Portal FEB - O Portal da Força Expedicionária Brasileira - […] A tomada de Montese na Itália e os correspondentes de guerra […]
  6. A Batalha de Montese – Leitura ObrigaHISTÓRIA - […] A tomada de Montese na Itália e os correspondentes de guerra […]

Deixar um comentário

Premium WordPress Themes